BH em três dias

junho 13, 2017

A Revista da Folha de São de Paulo, fez uma matéria com um roteiro super interessante para quem vai visitar a capital mineira e ficar apenas um ou três dias. Confira:

Tem só um dia na capital mineira? Ou um bocadinho mais? Selecionamos dicas de viagem para você encaixar sua agenda

Para quem tem um dia…

Aproveite para explorar a região da Pampulha, um belo passeio a céu aberto, pertinho do  eroporto e gratuito. As famosas curvas de Oscar Niemeyer e os jardins de Burle Marx se fazem presentes por todo lado. Pela manhã, comece pelo Museu de Arte da Pampulha, que, na época em que JK era prefeito, de 1940 a 1945, abrigava um cassino e uma boate. Seu acervo reúne mais de 1.400 obras.

A poucos 3 km dali, está a Casa do Baile, onde eram promovidos shows e jantares dançantes na década de 1940. Quem a frequentava era a alta sociedade. Juscelino, que adorava a vida boêmia, era um deles.

No almoço, dê uma esticadinha até o restaurante Xapurí, a 8 km da Casa do Baile. O cardápio é recheado de pratos típicos da cozinha mineira, como o arroz preguento (R$ 32,90). Não saia de lá sem a sobremesa – tem o tradicional doce de leite com queijo.

Por fim, à tarde, siga (de carro) por 7 km até a Igreja da Pampulha, para apreciar as obras de Cândido Portinari. E, ali do lado, a menos de 1 km, está a Casa JK, antiga residência do ex-presidente.

Três dias…

Cumpriu a maratona do primeiro dia? No segundo, o seu ponto de partida é a praça da Liberdade. Lá, há 15 atrações, praticamente uma do lado da outra, como o Memorial Minas Gerais Vale e o Centro Cultural Banco do Brasil. Mas, é claro, não deixe de dar uma paradinha na praça, toda arborizada. Deu fome? Passe no comida de boteco do Armazém Medeiros (r. Rio de Janeiro, 2.221), a 1 km da praça.

No terceiro e último dia, visite o Museu de Artes e Ofícios, que no passado era a Estação Ferroviária Central e hoje abriga uma parada do metrô. E, antes de dar tchau para BH, siga até a sorveteria mais antiga da cidade, a São Domingos, de 1929, e peça o sabor chocolate africano (R$ 8 uma bola; R$ 15 duas): meio amargo, é uma delícia.

Ou uma semana…

Ainda tem fôlego? O Grupo Galpão, um coletivo de teatro de rua, abrirá em junho uma temporada de comemoração aos seus 35 anos. Aproveite para assisti-los no Galpão Cine Horto.

No dia seguinte, circule pelo Mercado Central e suas mais de 400 bancas e, à noite, passe por Savassi, uma espécie de Vila Madalena recheada de bares. O sexto dia pode ser reservado para Brumadinho, casa do Instituto Inhotim, um museu a céu aberto onde se respira arte contemporânea.

Para finalizar (ufa!), aos domingos há a famosa Feira Hippie, um labirinto de corredores na av. Afonso Pena com itens como calçados e artesanatos.

Fonte: www1.folha.uol.com.br

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *